terça-feira, 11 de agosto de 2009

XIXI NA CAMA (Valéria Nogueira Eik)

Carolina tem quatro anos. É um doce de criaturinha!
Os olhos são amendoados e castanhos. Os cabelos, lisos e fartos, emolduram a sua carinha levada. E a pele tem um tom moreno distribuído por igual.
Corre e brinca o dia todo.
Mas quando a noite chega, traz consigo, além da lua e das estrelas, um pequeno problema: o xixi na cama, que molha desde o pijaminha até o colchão.
Carolina morre de vergonha.
Gostaria, ela mesma, de trocar os lençóis, e no dia seguinte, antes que todos se levantassem, lavar a roupa de cama e o pijama.
Mas é apenas uma menininha. E tem medo. Ah, o medo! Mostra bicho papão, saci e curupira. Mostra tudo o que não existe. E a noite fica cheia de monstros umedecidos pelo xixi da Carolina.
Às vezes, dorme na cama molhada mesmo. E quando vence a vergonha e o medo chama a mãe.
Lá vem Dona Margarida, cheia de sono e paciência, fingindo nem ter percebido a cachoeira amarelinha que quase inunda o quarto.
Leva Carolina ao banheiro para um derradeiro xixi e um banho morno e rápido, e em seguida, troca o pijaminha e toda a roupa de cama.
No dia seguinte, Carolina sente dificuldade para encarar a mamãe.
Dona Margarida anda pensativa, pois quer encontrar um jeito de ajudar a filha. E tem uma idéia.
Compra cartolina e recorta estrelas. Algumas são douradas e outras são prateadas.
Chama Carolina e lhe mostra as estrelas. A menina fica encantada. Até parece nunca ter visto coisa tão linda!
- Mamãe, posso ficar com elas?
- Minha filha, essas estrelas são muito especiais.
- Por que?
- Olhe bem para elas! Veja como são bonitas!
- São “maravilindas”, mamãe!
- Para cada noite que você não fizer xixi na cama, uma dessas estrelas prateadas será sua. E após uma semana de noites sequinhas, você receberá uma estrela dourada. Quer tentar?
- Vou conseguir todas as estrelas, mamãe. Você me ajuda?
- Claro, querida.
Carolina estava preocupada quando a noite retornou.
Queria porque queria ganhar todas as estrelas.
Será que conseguiria amanhecer sequinha, sem fazer xixi na cama?
Pois muito bem. Na hora de dormir, fez um xixi enorme no banheiro. E em suas orações, pediu ao Papai do Céu que fechasse a sua torneirinha durante a noite toda.
Dormiu. Mas acordou sobressaltada algumas vezes. Passava a mãozinha na cama e suspirava aliviada.
- Ufa! Até aqui, tudo certo.
Quando o dia entrou pelas frestas da janela, Carolina gritou de alegria. Não tinha feito nenhum pingo de xixi na cama.
- Manhê! Manhê! Cadê a minha estrela? Cadê?
Dona Margarida abraçou a filha e disse:
- Parabéns, meu amor, você conseguiu! Aqui está a sua primeira estrela prateada.
Depois de uma semana, Carolina recebeu a sua primeira estrela dourada. E de estrela em estrela, ela venceu a dificuldade.
A partir das estrelas, ela compreendeu que a vitória é construída passo a passo, com muita vontade e determinação.



Valéria Nogueira Eik


Fotografias, histórias infantis, crônicas, poemas e contos publicados em vários sites literários.


Editora da revista de literatura e arte Conexão Maringá http://www.conexaomaringa.com


E-mail: contato@conexaomaringa.com


2 comentários:

  1. Este blog, querida Valéria, é mesmo um correr de tranças e pés descalços, outra vez, a caminho da escola...

    Lindo e delicioso...Parabéns Poetas, por manter esta infância dentro de nós...

    Bjs 1000!!!

    Rosemira Guerreiro
    www.rguerreiro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Lindo, Valéria. Meus parabéns! Sou ilustradora de livros infantis (aqui você conhece um pouco do meu trabalho http://szeliga.multiply.com ) Me identifiquei tanto com a sua história que à medida que fui lendo as imagens em minha tela mental já foram se formando em páginas de um livro. Você já a publicou por alguma editora? Parabéns e um grande abraço! Márcia Széliga

    ResponderExcluir